11 5575-4940

De 2ª à 6ª das 08:00 às 18:00 h
Como tem feito anualmente, nos últimos 10 anos, a American Society of Clinical Oncology (ASCO) publicou, na edição 
 
 
de 1º de março do Journal of Clinical Oncolgy, o balanço anual das grandes conquistas no tratamento do câncer. Segundo os autores deste balanço, o maior avanço no tratamento do câncer, no último ano, foi a disponibilidade de novos medicamentos para controle da LLC (leucemia linfoide crônica). Esta leucemia é a mais comum entre os adultos, sendo que em 2.014, nos Estados Unidos, estima-se que 15.700 pessoas, a maioria com idade em torno de 70 anos, teria apresentado tal doença. O tratamento padrão da LLC tem sido uma combinação de quimioterapia com imunoterapia à base de rituximab (MabtheraR) (um anticorpo dirigido contra as células neoplásicas), tratamento este que ocasiona muitos efeitos colaterais, às vezes impossibilitando sua continuidade.
Pois bem, só no último ano surgiram quatro novos medicamentos efetivos no tratamento da LLC: o obinutuzumab (GazyvaR) e o ofatumumab (ArzerraR), para serem combinados a um quimioterápico, o clorambucil, no tratamento de pacientes recentemente diagnosticados, e o ibrutinib (ImbruvicaR) e o idelalisib (ZydeligR), para o tratamento de pacientes refratários ou intolerantes a esquemas anteriormente utilizados. A disponibilidade destas novas terapias cria a possibilidade de, num futuro talvez não muito distante, possamos tratar a LLC sem o uso de quimioterápicos.
Estas 4 novas medicações, e também o rituximab, constituem um novo tipo de recurso para o tratamento do câncer, tendo ação diferente dos tradicionais quimioterápicos. Sua ação se deve a intervenção em enzimas ou estruturas peculiares às células neoplásicas e pouco expressivas ou ausentes nas células normais, o que lhes confere um caráter de especificidade muito maior que a dos quimioterápicos, que agem sobre todas as células que estão se multiplicando (daí seus efeitos colaterais sobre a pele, as mucosas, o cabelo, as unhas e o sangue). As novas drogas, conhecidas pela denominação de “alvo-específicas”, abrem uma nova etapa no combate ao câncer.
 
 
Dr. Carlos Alberto Reis Freire
 
Diretor Médico
 
CRM 19.248